sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Coisas que nunca vão acabar.


Podemos exemplificar o contraste assim: você lê no jornal, durante o café da manhã, que o IBGE divulgou novos dados e que a desigualdade no país diminiu. A pobreza está acabando.
Termina o café, fecha o jornal e sai para a rua.
Você dá de cara com um garoto magrelinha pedindo esmola na janela de um automóvel importado impecável.
Isso é o contraste: não o garoto contra o carro importado, mas o que você leu dentro da sua casa contra o que você viu na rua.

Na decoração, o contraste é exatamente o oposto da harmonia, tratada em postagem anterior.
Pode acontecer de várias formas, mas o mais comum é através de cores.
As cores são como as notícias, sempre têm o outro lado. Isso chama-se roda cromática (você pode ver uma no final desta postagem), é um assunto técnico e chato para a maioria. Mas se você estiver a fim, leia aqui.

O uso de contrastes não é comum na decoração, principalmente hoje, onde tudo é neutro, muito escuro ou muito claro. Infelizmente, o contraste de cores foi associado ao jovem e muitas vezes ao mau gosto.
Há pouco tempo, você deve se lembrar, era comum exemplicar o cafona usando a combinação roxo com amarelo. Queimaram essas cores.
Você pode utilizar as cores no contraste máximo ou não, depende da sua coragem.
A foto que abre esta matéria e que a maioria acha uma bela visão, tem uma combinação feita pela natureza e... surpresa!: utiliza o contraste entre duas cores, o laranja contra o verde.

Muitas mentiras foram ditas ao longo dos anos e continuam, baseadas em teorias infundadas sobre as cores.
O mais comum é dizer que cores fortes e contrastantes vão deixá-lo cansado, que depois de um tempo você vai querer mudar tudo, que excitam demais fazendo com que você não consiga ficar no ambiente.
Não sei você, mas eu ficaria horas e horas deitado em um ambiente como o da foto, sem pensar em bolsas caindo e dificilmente iria querer levantar dali. APESAR DAS CORES!

As cores contrastantes normalmente resultam em um ambiente alto astral.
Tudo é uma questão de saber dosar e saber o que se quer. Deixe novamente as teorias de lado.
Pense muito antes de transformar a sua casa em um ambiente sombrio e neutro.
Contrapondo-se ao mundo mostrado pelos decoradores chics está a natureza.

Confio mais nela.

2 Faça um comentário:

Sabrina Mix 25 de outubro de 2008 04:28  

Oi, Bade!

Eu geralmente arrisco nos constrastes de cores, mais nas roupas, mas quem sabe um dia adquira essa visão para decoração também?

Beijos e sucesso!!!

Talma 25 de outubro de 2008 21:10  

Bade, a decoração da casa que carrego nas costas (levo vida cigana) foi influenciada por uma razão: o bairrismo. Como eu mudava muito e para lugares distantes do meu estado, sentia (ainda sinto)a necessidade de ter minha terra perto e isso era (é) traduzido na decoração, com móveis de Gramado (daqueles pesados,que agora clamam por uma tinta ou uma fogueira) e demais adornos que fazem da minha casa uma sucursal de um CTG.
Quando comprei a casinha onde nasci ( tem um tópico sobre ela, "Casa da Uva") fiz o oposto e decorei toda em vermelho.
Não dei ouvidos ao que falavam de uma casa com cores fortes e ainda por cima o vermelho, que dizem que deixa as pessoas nervosas. Olha, sinto uma paz naquele lugar, que não tenho como descrever. Talvez seja mesmo a cor, fazendo o contra-ponto do meu dia-a-dia marrom e bege. Sei que lá eu me sinto bem.
Como a casa será vendida, adivinha com quais móveis ficarei? rssss
Bom começo de semana!