domingo, 5 de outubro de 2008

O meu sonho é um dia poder comprar um sofá nas Casas Bahia!

Todas as grandes redes de varejo vendem sofás.
E eu espero um dia poder entrar em uma delas, escolher um sofá com um design honesto e ser beneficiado com as facilidades especiais de pagamento em 24 ou 36 vezes, onde o grande destaque é o preço da parcela.
Mas esta postagem não é sobre os juros embutidos e sim sobre a oportunidade perdida de fazer com que a maioria da população comece a consumir produtos com um design melhor.

Quando essas redes oferecem produtos horrorosos com nomes mais horrorosos ainda (tipo conjunto estofado Milano) é um desserviço ao design nacional. Produzir um produto feio custa o mesmo que produzir um produto bonito. O que é mais caro é você produzir um produto com mais qualidade, mas isso não significa beleza.

Eles devem ter lá os seus especialistas em marketing e vendas com seus argumentos empacotados dizendo que o público-alvo deles não consome um produto com um visual melhor, que vendem para a classe C e D etc e tal.
Mas será verdade? O povo que tem menos dinheiro tem mau gosto? E se tem, quem foi que ensinou a eles?

A resposta é simples: as grandes redes foram os professores do mau gosto. Eles conseguem vender móveis para sala, quarto e cozinha que são uma verdadeira afronta ao bom senso estético. O povo vai comprar sim o que eles colocarem à venda, porque eles conseguem com seus anúncios repetitivos e massificantes empurrar goela abaixo qualquer coisa, seja feio ou bonito, desde que possa ser pago no carnê.

Para fechar o raciocínio, abaixo está uma outra foto de um produto que eles também têm à venda nas mesmas lojas que vendem os sofás horrorosos.
E aí fica a pergunta: você acha possível um sofá daquele harmonizar, no mesmo ambiente, com uma tv como esta?

7 Faça um comentário:

Claudia 6 de outubro de 2008 13:58  

É a pura verdade, é tudo um atentado ao bom gosto e o pior, é que não são nada baratos, pelo contrário. Pelo fato de venderem em inúmeras parcelas o povo vai e compra, mas dá até pena. Beijos

Valérie 16 de outubro de 2008 14:27  

Eu tenho outra teoria: acredito que o design e a moda chegam mais lentamente as classes populares. Tudo bem que existe coisas horrorosas sendo produzidas hoje, mas foram inspiradas em design de pelo menos 10 anos atras.

Estou doida por um tapete vinho. Não encontro. Porque a "moda" nas lojas populares hoje é marrom, preto vermelho... Algo que se usou com design há uns dois anos...

é meio por aí..

Pequena 19 de outubro de 2008 22:38  

Nossa, finalmente alguém falou de um detalhe que eu sempre questionei. Desconfio que exista uma estética do pobre, sim, para continuar separando as classes. Assim como o voto obrigatório é para continuar fazendo as grandes massas, ignorantes, votarem nos maus candidatos. Existe uma inteligência por trás disso. A feiura é ensinada, não vem deles. Já discuti isso muitas vezes com amigos e alguns me diziam que a estética do pobre é baseada nas referências da realeza. Mas, gente, já passou muito tempo, já deu tempo de a estética clean ser desejada pelas classes com menor poder aquisitivo. Por quê? Não sei se é ingenuidade minha ou desconfiança excessiva, mas acho que essa é uma discussão que apenas começou. Adorei o texto.

Edy pinturas e artes 21 de outubro de 2008 14:27  

Gostei muito do seu blog e quero convidá-la para visitar-me e, gostaria de dar-lhe uma sugestão, a de colocar marcadores em seu blog, facilita pra vc e para quem acessa; eu so vi os marcadores no final de cada postagem e nao os vi no "indice ou na coluna" do blog, ok.
Bjus. Edmara.
- Aguardo a sua visita nos meus blog’s:
- http://edypinturaseartes.blogspot.com
- http://edypinturaseartescomrevistas.blogspot.com
- http://enkantosdaboamesa.blogspot.com

Anônimo 25 de outubro de 2008 16:34  

Muito bem colocado. Você disse quase tudo mas... faltou a bendita recepção. VOCÊ CHEGA, E É RECEBIDO POR AQUELE(A) FUNCIONÁRIA COM UM SORRISO DE MAL DORMIDO, QUE VEM AO SEU ENCONTRO E DECLA: "BENVINDO AS CASAS BAHIA, AS CASA BAHIA AGRADECEM A SUA VISITA, EM QUE POSSO ATENDÊ-LO".
ACHO QUE ASSIM COMPLETA O "BOM GOSTO".
Abraços
José Jaime

margaret 27 de outubro de 2008 14:05  

Isso é verdade...aqui nao tem casas bahia mas tem lojas insinuante que funciona da mesma forma: sofas horriveis com parcelas em 24/36 vezes com juros astronomicos e o povao só comprando...
vc entra na loja que é enorme, com milhares de sofá e não consegue achar umzinho que preste...
mas será que as classes menos favorecidas não tem mesmo bom gosto ou será que elas compram o que estao disponiveis pela facilidade de pagamento? Até porque tem um detalhe: se uma pobrezinha (financeiramente falando) entra numa loja dessas com sofas bonitoes e modernos são olhadas como se fossem ladras...os vendedores nem se aproximam...e credito entao, nem pensar...
eu ja fiz esse teste de se vestir de qualquer jeito e chegar numa loja chique...cruzes...é deprimente o atendimento.

Eder 18 de dezembro de 2008 15:06  

se vc tem dinheiro para comprar a vista compre,bom negocio fara,mas se nao tem faz o q? ou nao compra ou compra como pode pagar,sen levar em consideracao que muitos nao compram nada para deixarem o dinheiro para gelada do fim de semana, ai o ano passa e o ze ta la sentado no chao com a cara cheia e dizendo nao vou comprar nada os juros tao muito alto,ai faz-se um levantamento e observa-se que durante o ano ele gastou com serveja o equivalente a sala inteira.voce tem o que sempre quis ou estava disposto a obter.