quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Não precisa ir ao oftalmologista, simetria é uma coisa simples.

Foto de surekat

"O Natal será extraordinário", disse Lula, e "a crise não afetará o Brasil", reforçou Mantega.
Você pode entender o conceito da simetria analisando essas duas frases. No objetivo, elas são simétricas, pois têm os lados semelhantes: querem nos enganar.
Mas se forem analisadas dentro da realidade, são assimétricas, pois enquanto um lado do mundo falava uma coisa, aqui eles falavam o contrário.

Pois bem, no mundo quase tudo é simétrico.
A simetria acontece quando você divide um objeto ao meio, ou atravessa-o com um eixo central, e o resultado são duas partes semelhantes.
Estamos acostumados a ser e ver o mundo de forma simétrica: temos dois olhos, dois braços, duas pernas, duas orelhas, dois mamilos etc.
O que temos de um, ou seja, uma boca, um nariz, um sexo etc, estão localizados exatamente no centro, então quando separados ao meio por uma linha, transformam-se em duas metades semelhantes.
Tecnicamente está claro, não?

Na decoração, acontece a mesma coisa. E não é para nos enganar, como o Lula e o Mantega tentaram, mas pura e simplesmente por costume.
Uma cabeceira de cama é simétrica, tem os dois lados iguais. Repete-se a simetria nos criado-mudos, nas portas dos armários, na disposição dos sofás e poltronas...
Balanceamento ou preguiça?
Está mais para preguiça de design, uma doença comum revelada em qualquer projeto.
Ao iniciá-lo, o designer já parte de um banco de memória visual e não questiona, ou melhor, não propõe uma nova solução.
É comum, mais fácil e mais vendável.

A simetria acontece na natureza por uma razão muito simples: o equilíbrio físico.
Se você tivesse somente uma perna de um lado e um braço do mesmo lado, teria uma certa dificuldade para andar.
Na decoração, quando a simetria é questionada, normalmente o argumento é o equilíbrio, não físico, mas visual.
Não convence, é o típico argumento de quem é pego com as calças na mão.

Se deixássemos um pouco de lado o costume da simetria, teríamos ambientes menos chatos e menos óbvios.
Não entenda que tudo deve ser assimétrico (o oposto da simetria), mas se variar a posição faz bem na hora do sexo, deve fazer bem também variar os conceitos na hora de decorar e projetar.

Por falar em sexo, uma cabeceira de cama poderia ser assimétrica, não?
Ou será que provocaria uma briga entre o casal na hora de cada um escolher o seu lado?

4 Faça um comentário:

verdenovoverde 31 de outubro de 2008 18:59  

Adoro esses questionamentos a respeito de temas tradicionais e opiniões engessadas!!! Questionar é revirar, é sacudir e trazer novas energias!! Me delicio com novas perspectivas, novas visões das coisas! Adorei o post!

Viviany 31 de outubro de 2008 19:50  

Gosto muito do que vc escreve , sempre nos fazendo questionar sobre temas interessantes e variados ... Eu , pra falar a verdade , adoro simetria ,não sei , me parece mais organizado , sei lá ... , mais porque não variar ?!? Vou tentar com certeza , afinal experimentar é viver ..., hehehe... Parabéns!
Bom fds *

Dayse 6 de novembro de 2008 16:50  

Estou me iniciando como leitora destes blogs de decoração, além de gostar muito do assunto, vou iniciar uma obra e procuro dicas, sugestões. Estou em dúvida na decoração do meu quarto justamente na simetria do criado mudo. Já escutei a crendice de que apenas um azara a vida do companheiro (não acredito nisso), mas meu inconsciente coletivo me deixou dúvidas. Minha cama é box (moderna) e pretendo colocar móveis antigos nas laterais, a princípio seria um só, ou dois porém diferentes. Gosto do diferente como no seu post das cores fortes do ambiente imaginado. Muito boas as idéias e reflexões.

bade 6 de novembro de 2008 18:47  

Olá, Dayse.
A melhor regra para seguir é fazer de um jeito que a faça sentir-se bem.
Se você já pensou bastante no assunto e quer colocar um diferente do outro, faça assim. Vai ficar bem legal e do jeito que você gosta.
Um abraço,
Carlos - DecorandoTudo!