sábado, 20 de dezembro de 2008

Vai construir ou reformar? Prepare-se para os problemas...


O que você vai ler não é nenhuma novidade, mas sempre achamos que não vai acontecer com a gente.
A verdade é que reformar ou construir nada mais é do que administrar problemas, frustações e incompetências.
O relato da Mari Melo, do blog Brincando de Casinha, é bem ilustrativo (clique aqui para saber sobre o rolo com a Telhanorte, um grande varejista de materiais para construção de São Paulo).

A causa de tudo isso somos nós mesmos, quando contratamos e compramos.
Não aprendemos a exercer os nossos direitos e não tomamos providências quando somos lesados.
No fundo, somos desleixados.
E, mais no fundo ainda, gostamos quando esse desleixo é azeitado como sendo o jeitinho brasileiro ou "o povo criativo que tem uma habilidade ímpar para resolver as adversidades".

Na sua reforma ou construção você será lesado várias vezes, começando com o engenheiro ou arquiteto que quase nunca entrega o projeto no prazo.
E você fica quieto, pois é o começo e não pretende brigar.
Será lesado novamente no orçamento que, sempre, ultrapassa o que você determinou.
Será lesado ainda no desperdício de materiais gerado pelos pedreiros, marceneiros, encanadores, eletrecistas etc que não estão nem aí com o quanto custou.

Depois de tudo pronto você terá ainda o desgosto de descobrir que alguns materiais que foram vendidos como primeira linha não eram tão primeira linha assim.
Que o projeto poderia ser melhor.
E que faltou isso e aquilo outro.

É pessimismo?
Não, é a realidade.
É triste?
Sim, muito triste.
Tem solução?
Felizmente sim.

A solução é você deixar de ser um típico brasileiro e exigir os seus direitos.
Uma simples devolução do dinheiro não basta. Processe, peça indenização.
Mande refazer.
E não coloque um centavo seu a mais.
Faça contrato com tudo e todos estipulando prazos e multas.
Não vá somente pela indicação de conhecidos. Procure conhecer as obras que os profissionais fizeram e conversar com os proprietários.
E, o mais importante, faça marcação cerrada.
Lembre-se que estamos na terra do jeitinho e que, ao virar as costas, alguém vai estar tentando lhe roubar.

Boa obra para você!

2 Faça um comentário:

Liziane Milgarejo 22 de dezembro de 2008 14:58  

Oi Carlos, achei seu post muito forte.
Quando vc diz que o cliente "VAI ser lesado começando pelo arquiteto ou engenheiro", acaba generalizando toda uma classe, claro que sempre vai existir alguém que não cumpre prazos, não faz contrato, presta um serviço com qualidade duvidosa, mas não podemos generalizar dessa forma, concorda??

Sobre os orçamentos, posso dizer que NA MAIORIA DAS VEZES em que o orçamento é extrapolado, não é por que o arquiteto tenha negligenciado com a planilha de orçamentos, mas sim que os clientes vão se empolgando com a obra, trocando um material por outro (e normalmente por um mais caro!) acréscimos de área... Enfim, os motivos são os mais diversos, mas deve-se ter claro que as alterações elevam os custos sim!!

Quanto a mão de obra que vc comentou que não tá nem aí para quanto custou, também acho uma afirmação generalista. Profissional bom existe! Nas minhas obras, sempre indico os profissionais qualificados e capazes de realizar o serviço e para mim, a preocupação evitando o desperdício é uma característica cada vez mais fundamental aos profissionais.

Fico muito chateada com essa idéia do “jeitinho brasileiro”, querer tirar vantagem sobre os outros, isso tem que acabar! Por isso acho super importante um contrato bem detalhado. As duas partes ficam protegidas e não corre o risco de um esperto querer tirar vantagem quando na verdade, não tem direito algum.

Kelly Mansur 26 de dezembro de 2008 04:06  

Bom, melhor vc continuar com o Design de Produtos.. disso vc entende bem , rsss.